sábado, 12 de dezembro de 2015

Benefícios do Uso do Kefir


Embora o uso continuado do kefir proporcione inquestionáveis benefícios ao organismo, deve-se levar em conta que não se trata de nenhuma panacéia e, em caso de qualquer doença diagnosticada, o médico deve ser procurado e consultado quanto à conveniência de se aliar o uso do kefir ao tratamento.

É um produto facilmente digerível, e é uma boa fonte de proteína e de cálcio. O kefir pode consequentemente ser incluído como parte da sua dieta diária. A purificação orgânica que promove auxilia a obtenção de um eco sistema interno perfeito para a saúde e para a longevidade.

Para bebês a sua colaboração no desenvolvimento de um aparelho digestivo saudável é vital. Kefir é rico em vitamina B12, B1 e vitamina K. É uma fonte excelente de biotina, a vitamina B que aumenta a assimilação das outras vitaminas do complexo B. Os grãos de kefir têm propriedades anti-tumorais, antibacterianas e antifúngicas. Estas propriedades abrangentes podem explicar a razão para o uso do kefir no numeroso relato de curas das doenças. O trabalho experimental realizado no Japão com cobaias mostrou que o consumo do kefir pode proteger o corpo de encontro a um desafio do câncer. Se o kefir for consumido antes da exposição ao câncer, a incidência dos animais que desenvolvem o câncer é reduzida. Se o uso se mantiver após a exposição ao câncer o crescimento e a
velocidade do crescimento do câncer estão reduzidos.

O kefir tem sido usado no tratamento de pacientes que sofrem de AIDS pois aumenta a imunidade em grande escala e ainda atua como elemento desintoxicador da enorme carga de medicamentos a que o doente se vê submetido.

Promove uma absorção orgânica muito maior de sais minerais e vitaminas, principalmente a vitamina B12, ajudando nos problemas de desnutrição. Auxilia a absorção de proteínas.

Seu uso continuado produz muito bons efeitos em convalescença após graves doenças. Quando se têm afecções crônicas, deve-se beber kefir, pela manhã, ao meio dia e pela noite, ½ litro cada vez. Digestivo, não produz intolerância ou efeitos colaterais. Em doenças graves e prolongadas deve ser tomado abundantemente três vezes ao dia meio litro por vez.

O kefir tem efeito comprovado no auxílio do tratamento de:
• Distúrbios nervosos: ansiedade, insônia, síndrome de fadiga crônica;
• Catarros bronquiais e outros problemas respiratórios;
• Alergias;
• Escleroses;
• Reumatismo e L.E.R.;
• Tumores;
• Problemas cardio-vasculares (infarto e arteriosclerose);
• Problemas de vesícula;
• Disfunções hepáticas;
• Problemas renais e icterícia;
• Doenças do estômago: gastrite, úlceras pépticas e duodenais, regulariza a digestão;
• Problemas intestinais: diarréias, intestino preguiçoso ou preso, hemorróidas.
O kefir previne putrefação intestinal causada por depósito nos intestinos e contribui para depuração do organismo e restaura rapidamente a micro flora intestinal, o que é ótimo para quem se submeteu a longos tratamentos com
antibióticos. O kefir de água, após 12 horas de fermentação produz efeito laxativo no intestino e o de 40 horas de fermentação prende o intestino;
• Problemas de sangue: anemia, leucemia;
• Problemas de pele: dermatites, eczemas, lupus, cândida, psoríase, herpes;
• Males do Século: irradiações, exposições a monitores de vídeo, na
desintoxicação de poluentes tóxicos;
• Excesso de peso: atuando como um enzimático poderoso, acentua amplamente o
anabolismo, ou seja a assimilação de nutrientes e por provocar um equilíbrio geral do organismo, provoca uma sensação agradável de saciedade, que reduz o hábito de comer por compulsão, depressão ou ansiedade. Também já está provado que as melhores dietas são aquelas em que a pessoa se alimenta várias vezes durante o dia, em pequenas quantidades. O kefir, especialmente o de leite, pode ser usado nestes pequenos "lanchinhos", substituindo outros alimentos mais calóricos, mesmo quando batido com frutas e cereais, desde que se evite o uso de açúcar ou mel. Porém, a associação simultânea de kefir com jejum não é
recomendada e para os que gostam de jejuar o uso nos dias de jejum pode ser suspenso. Se alimentar só de kefir é uma atitude errada e contra indicada.

Para ampliar os benefícios do kefir, deve-se adotar os rituais tradicionais das montanhas do cáucaso por inteiro ingerindo, além do kefir recém coado, também os grãos excedentes do kefir e o kefir maturado com ervas.

A maioria das pesquisas que analisaram os efeitos do kefir, foi executada com os grãos ou o polissacarídeo Kefiran. O interesse inicial no kefir surgiu quando o famoso cientista russo, professor Mechinkov, soube da alta longevidade dos povos caucasianos e creditou-a aos efeitos do consumo regular do kefir e não se pode negligenciar que eles ingeriam grãos do kefir regularmente.

O kefir maturado por um ou dois dias, a um atemperatura de 12º e 22º C, o ácido fólico deve aumentar uns 117% e possivelmente 125% quando comparado ao leite fresco original. Há outras vitaminas do complexo B que aumentam, diminuem ou permanecem inalteradas devido à maturação. Outros benefícios da maturação incluem a redução da lactose - desejável para os indivíduos intolerantes a ela-,
a redução do nível de carboidratos - para aqueles que devem consumir pouco carboidrato, por razões outras que não o diabetes - e a evolução da microflora, encorajando determinados organismos a se proliferarem, devido a determinadas circunstâncias e a subprodutos de outros organismos específicos. Com isto , o valor benéfico único do kefir amadurecido, é diferente daquele de um kefir recém
coado.

Os caucasianos amadureciam ou fermentavam o kefir coado por alguns dias antes de consumi-lo. A raiz fresca da Neve Rosa [Thododendrum Caucasicum] um rhododendron
nativo à área, era freqüentemente adicionada e fermentava com kefir líquido durante a maturação. A raiz da Neve Rosa contém antioxidantes poderosos. Ervas específicas podem ser adicionadas ao kefir líquido, e fermentadas junto para
amadurecer. Tais procedimentos podem gerar um kefir específico, para uma condição específica. Como um exemplo, para aliviar a flatulência e ou para fortificar a função gástrica, a alcaravia, a erva-doce, a semente de anis e a canela em casca, podem ser moídas, adicionadas ao kefir fresco e deixadas em maturação por 1 ou 2 dias, em temperatura ambiente. Esta forma kefir pode ser
altamente recomendado para a prevenção ou o controle do diabetes devido aos benefícios da canela em casca.

Descobriu-se-se que os produtos do ácido lático eram ineficazes na eliminação da disbacteriose (enterite) provocada por fungos ou proteus. A terapia com
antibióticos aliada ao regime probiótico impede o desenvolvimento dos sinais clínicos da disbacteriose.


Diferença dos Benefícios
Apesar dos efeitos probioticos do Kefir e do Iogurte, eles parecem produzir ou induzir os benefícios em mecanismos diferentes, que são restritos e individuais.
Não se conhece qualquer pesquisa científica atual referente aos benefícios do kefir de água, muito menos das diferenças entre os benefícios do kefir de leite Vs kefir de água. Sob o microscópio, o kefir de água tem atividade fermentativa
mais alta que o kefir de leite. A produção de CO2 e álcool confirma isto, ambos são produzidos em proporção maior no kefir de água (dependendo da porcentagem de açúcar e tempo de fermentação).
Dependendo do processo de cultura, pode-se determinar o resultado referente aos possíveis benefícios do kefir para consumo. Um kefir de leite fermentado menos tempo produzirá efeitos probióticos distintos aos do kefir mais ácido para um mesmo indivíduo. Alguns acham que o kefir de leite menos ácido tem efeito laxante, enquanto um kefir mais ácido pode produzir constipação para o mesmo
indivíduo. Quanto à ação do peristaltismo, foi descoberto que o kefir de leite mais ácido tomado pela manhã, produzirá uma ação mais forte do peristaltismo que
um kefir menos ácido. O kefir de água não induz uma ação semelhante.
A maioria dos indivíduos que ingeriu kefir de leite pela primeira vez, teve que evacuar pouco depois de ingerir um copo de kefir de leite fresco (comparado à ingestão do kefir ácido ingerido várias vezes ao dia).
Esta ação não se repete com os indivíduos que ingerem kefir de água pela primeira vez.
Ingerir um kefir de leite menos ácido pode aumentar as contagens de certos microorganismos do trato gastrointestinal. Um kefir mais ácido pode fornecer outros benefícios, melhorando o funcionamento do fígado e da vesícula biliar ao custo da diminuição dos microorganismos do trato gastrointestinal. O kefir de leite mais ácido pode ter um efeito diurético suave. Este efeito é compartilhado
pelo kefir de água cultivado por 48 horas. Embora o kefir de água tenha a tendência a induzir a passagem da urina dentro de 30 minutos após a ingestão, em alguns casos a freqüência pode ser a cada 10 a 30 minutos por algumas horas.
Isto pode ser visto como moderado efeito diurético, que pode ser um benéfico para condições específicas tais como o edema.
Quanto ao valor nutricional, o kefir de leite tem um valor nutricional mais alto que o kefir de água. Se o kefir de leite é amadurecido à temperatura ambiente (ou no refrigerador) por até 3 dias, o conteúdo de ácido Fólico aumentará mais
de 120% em comparação ao leite fresco.
Certos indivíduos tiveram suas úlceras gástricas, em estágios iniciais e avançados, curadas com êxito pela ingestão do kefir de leite, mas não há registros de que o kefir de água pode ajudar da mesma forma.
Um kefir de água feito com a adição de ervas medicinais deve incluir os benefícios e os efeitos colaterais das ervas usados na preparação da bebida herbácea probiotica. Veja Kefir de Ervas para saber mais. A cultura do produto
final pode incluir a propagação de certos microorganismos, que são nativos à microflora da erva fresca ou seca usada no processo como a Lb. plantarum.
O Kefir tem uma microflora vasta, cuja evolução é dependente da duração do processo de fermentação. Um kefir mais suave(fermentado por menos tempo) conterá
uma microflora mais rara enquanto o kefir mais ácido, ou mais amadurecido, contêm mais bactérias acido Lácticas tais como Lb. acidophilus e Lb. Brevis são achados em maior proporção no fim da fermentação. Por serem incapazer de tolerar maiores quantidades do ácido láctico (derivado da metabólise da lactose), osLeuconostoc Mestenteroides e outros microorganismos do inicio da fermentação, diminuem conforme o kefir torna-se mais ácido enquanto os Lb. acidophilus e < i>Lb. Brevis gostam de acidez e por isso toleram condições ácidas.
Interferon produzido pelo kefir de leite. Descobriu-se que o kefir de leite induz a secreção de interferon pelas células. O Interferon é uma glicoproteína produzida pelas células em resposta a um ataque viral, tal como a Hepatite, cuja função parece ser desencadeada por mecanismos de defesa das células não infectadas. Acredita-se que o Interferon é eficiente contra doenças virais incluindo algumas formas de câncer. O kefir aumentou a secreção de interferon-beta em um humano com osteosarcoma, tratado com um indutor químico. A substância ativa no kefir foi descoberta como sendo a sphingomielina [SpM]. A SpM do kefir é uma mistura de quatro espécies de SpMs a C21-, C22, C23- e C24.
As SpM fermentadas do leite aumentaram a secreção de interferon em 14 vezes, enquanto SpMs de outras fontes aumentaram só 2 -3 vezes.

Fonte: http://paginas.terra.com.br/saude/kefir

domingo, 24 de agosto de 2014

Kefir para Iniciantes


O que é Kefir?
Para quem ainda não sabe, a bebida do momento é considerado um superalimento. Trata-se de um fermentado de grãos de Kefir em leite ou água (o meu é de leite), cultivado em temperatura ambiente, com benefícios e valor nutricional bem superior a outros iogurtes. Existem grupos de bactérias que não existem no Iogurte, como a Lactobacillus caucasus, Leuconostoc, e espécies de Acetobacter e Streptococcus. O kefir contém também leveduras benéficas como as Saccharomyces kefir e Torula kefir, que dominam, controlam e eliminam as leveduras patogênicas presentes no organismo.
Os benefícios do consumo de kefir são inúmeros, mas os principais são:
O grande trunfo do kefir é a quantidade de AMINOÁCIDOS. O triptofano, um dos aminoácidos essenciais abundantes no kefir, é conhecido pelo seu efeito relaxante do sistema nervoso.
É rico em vitamina B12, B1 e vitamina K. É uma fonte excelente de biotina. Seus grãos têm propriedades antitumorais, antibacterianas e antifúngicas e seu consumo diário produz bons efeitos em convalescença após doenças graves.
Sintetiza ácido láctico, o que diminui a intolerância a lactose e favorece a digestibilidade do leite mesmo para pessoas que sejam sensíveis ao leite de vaca
Recompõe e equilibra a flora intestinal, eliminando as bactérias e leveduras prejudiciais, e aumenta flora bacteriana benéfica. Cura e previne a prisão de ventre (eu sou uma testemunha disso)!
Ativa sistema imunológico (o soro do kefir é muito usado na Europa no tratamento dos portadores de AIDS)
A faxina que ele exerce no corpo humano, ajuda a estabelecer o equilíbrio do ecossistema interno, permitindo uma ótima saúde e aumento da longevidade.
Ajuda a diminuir o mau colesterol.
Estudos realizados em ratos no Japão revelam acção anti- carcinogénica do kefir; o kefir foi administrado via oral e os resultados indicam diminuição do tamanho do tumor, induzindo a uma resposta auto imune nos ratos.

Fonte:
http://nutricionista.com.pt/artigos/o-que-e-o-kefir.jhtml


Para iniciar sua cultura de Kefir. Para começar monte seu "kit kefir". Você irá precisar de: • 1 recipiente de VIDRO de boca larga (com capacidade para o kefir e mais um espaço livre para a liberação do CO2), de preferência escuro • 1 espátula (pão-duro) • 1 peneira grande de plástico. • 1 tigela • 1 "muda" de kefir
Proporção: para cada colher de sopa dos grãos, usar 500 ml de leite (qualquer tipo de leite, inclusive os leites vegetais), em temperatura ambiente. Não tampar hermeticamente o vidro (deixe uma saída de ar). Você pode fazer um furo na tampa ou usar um tecido sobre o vidro para evitar a entrada de insetos e possibilitar a saída do CO2 (eu uso uma jarra com tampa abre e fecha). Colocar em temperatura ambiente por 24 horas (cubra com um pano escuro, pois algumas das vitaminas são fotossensíveis). Uma vez que o Kefir está pronto, coe em peneira de plástico num tigela. Lave o vidro somente com água, assim como todos os utensílios que entram em contato com o kefir, e enxugue com papel toalha. Recoloque os grãos do kefir e cubra com leite fresco. Este processo é repetido indefinidamente. Consuma na hora ou guarde na geladeira por até 5 dias (ele fica bom até por mais tempo, já deixei por 1 semana sem problemas).
Algumas dicas na manipulação dos grãos: NÃO usar detergente e evitar o contato com a água clorada. Eu costumo lavar o vidro diariamente somente com água filtrada. NÃO há necessidade e nem é indicado lavar seus grãos. Uma ou duas vezes ao dia, dê uma leve mexida no vidro para que os grãos (que bóiam), entrem em contato com o leite, evitando o mau cheiro e o aparecimento de mosquitinhos.
Intolerância à lactose: Neste caso, deixe seu Kefir fermentar por mais tempo (36 horas mais ou mais) e aí poderá beber. Isto dará tempo para as bactérias do Kefir digerirem uma maior quantidade da lactose.
Alergia à caseína (proteína do leite): Em tais casos você pode tentar leites diferentes (leite de cabra e ovelha é menos alérgico que de vaca, ou ainda usar qualquer leite vegetal.
IMPORTANTE: Os grãos crescem e se multiplicam, sendo assim, para continuar a obter um kefir menos ácido, respeite a proporção acima (1 colher (sopa) de grãos para 500 ml de leite). Doe os grãos excedentes para seus amigos, ou aumente a quantidade de leite se quiser kefir em maior quantidade. Você também pode congelá-los ou armazená-los em seu próprio soro (leia aqui).

Eu sou doadora somente em São Paulo-SP e não envio pelo Correio. Para doação entre em contato pelo e-mail: kefirdaro@gmail.com, ou procure um doador em sua região pelas redes sociais.
Sugestão:
http://probioticosbrasil.wix.com/probioticosbrasil#!quero-doacao/cv53



quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

Kefir na Gravidez


Muitas pessoas têm escrito para me perguntar sobre o uso do Kefir na Gravidez.
O que tenho observado é que faz muito bem à gravidez, segundo relatos de pessoas à quem doei o kefir. Todas passaram muito bem, inclusive tendo menos problemas gastrointestinais e diminuição e até o término do famoso enjôo matinal.
Quero deixar claro que qualquer mudança ou dúvidas na alimentação você deve informar seu médico!

Um trecho de uma matéria que achei pesquisando, e espero que esclareça a todas:

Quais os benefícios do kefir na gravidez?
O kefir de leite é rico em ácido fólico, uma vitamina do complexo B cuja ingestão deve começar desde o planejamento da gravidez, pois garante saúde para a mãe e o desenvolvimento do bebê, já que é responsável pela síntese dos ácidos nucléicos (substâncias que produzem proteínas, tecidos e também o código genético, como o DNA, por exemplo). No entanto, não inclua o kefir na sua dieta antes de conversar com seu médico.
A simples suplementação do ácido fólico três meses antes e nos três primeiros meses da gravidez são suficientes para reduzir até 95% de problemas da má formação do tubo neural. O tubo neural funciona como o sistema nervoso primitivo do feto. É uma estrutura do embrião precursora do cérebro e da medula espinhal. O fechamento deste tubo é essencial para formar a calota craniana e coluna vertebral do bebê.
Isso ocorre entre 22º e 28º dias após a concepção.
Fonte: "A importância do ácido fólico" - Andresa Berger, Redação Terra

quarta-feira, 15 de julho de 2009

Kefir - Saúde e proteção natural


O kefir, um alimento de nome estranho, é obtido com a combinação de leite e uma mistura de fungos benignos e culturas bacterianas, e faz um bem enorme ao nosso organismo. Saiba como transformá-lo em seu aliado
A palavra kefir é pronunciada como se escreve, embora outra forma encontrada e, muito comum, seja "kifur". Conhecido há muito tempo, conta a história que os cavaleiros nômades da famosa Horda Dourada de Gengis Khan (por volta do ano de 1222), por enfrentarem longos dias em cima do lombo de animais e sem tempo de buscar alimentos, carregavam leite de égua em sacos de couro. Resultado: o líquido fermentava e produzia uma bebida espessa e ácida chamada koumiss. Os descendentes da horda dos mongóis, que se estabeleceram nas montanhas ao sul do Cáucaso, na Rússia, desenvolveram um herdeiro do koumiss, ao qual deram o nome de kefir: uma bebida à base de leite, cultivada por microorganismos, densa e refrescante.
Tempos depois, um professor e famoso cientista russo de nome Mechinkov soube da longevidade dos povos caucasianos e creditou o fato aos efeitos do consumo regular de kefir. Recentemente, o alimento ganhou destaque na dieta proposta pelo reconhecido médico americano Nicholas Perricone (descobridor do DMAE, poderoso agente antiflacidez) e passou a ser procurado por homens e mulheres que, além de perder peso, desejam manter uma aparência jovem e vigorosa por mais tempo.

Os grãos de kefir são colocados no leite. Depois da fermentação, eles são retirados e a bebida é utilizada pura ou no preparo de iogurtes. Rico em vitaminas, cálcio, fósforo e magnésio, entre outros nutrientes, não tem contra-indicação

Do passado para o presente
Pesquisas modernas indicam que o kefir pode estimular o sistema imunológico, melhorar a digestão da lactose (açúcar do leite) e inibir a ação de agentes patógenos - entre os quais a bactéria Helicobacter pylori, que causa a maioria das úlceras. Do mesmo modo, não é raro os médicos da Rússia e da Ásia Central prescreverem kefir contra vários problemas, entre os quais colesterol alto, alergias, síndrome plurimetabólica, tuberculose, câncer e distúrbios gastrointestinais.
Ele também tem uma forte ação enzimática contra o excesso de peso, pois facilita a assimilação de nutrientes pelo organismo, promove um equilíbrio interno e provoca uma sensação agradável de saciedade, que reduz o hábito de comer por compulsão, depressão ou mesmo ansiedade.
Assim, pode ser utilizado entre uma refeição e outra. "O kefir é um tipo de fermentado produzido pela combinação de leite com uma mistura de fungos benignos e culturas bacterianas de lactobacilos. As culturas liberam uma pequena quantidade de dióxido de carbono, álcool e compostos aromáticos que lhe conferem um sabor ligeiramente efervescente e picante. Ele é rico em vitamina B12, B1 e K, cálcio, fósforo, ácido fólico, magnésio, entre outros nutrientes", conta a nutricionista Marina Rios Foz, do Amarynthe Spa, em São Paulo, que segue os preceitos do Dr. Perricone no Brasil.
"Além das culturas benéficas e probióticas de bactérias vivas, o kefir comercializado contém, em geral, adição de insulina ou frutoligossacarídeos, tipo de carboidratos de cadeia longa, nos quais as bactérias benéficas proliferam. O kefir contém carboidratos especiais (polissacarídeos), chamados kefiran, cujos efeitos fisiológicos explicam alguns dos generosos benefícios que o kefir traz à saúde", diz Marina Foz.

Cultivo em casa
Ficou com vontade de experimentar a bebida? Pois saiba que ela não é facilmente encontrada no Brasil. "Há algumas lojas de produtos naturais e grandes redes de supermercados que oferecem o produto. Normalmente, no caso dos grãos para o preparo da bebida, eles são doados e cultivados em casa e podem durar por muito tempo, se cuidados corretamente", avisa a nutricionista. Antes de partir para o 'cultivo' do seu, lembre-se que ele se encaixa no grupo de alimentos probióticos.
Vamos recapitular o que é isso: considerados funcionais, contêm microorganismos que, quando ingeridos, exercem efeitos benéficos para a saúde. Os probióticos aumentam, de maneira significativa, o valor nutritivo e terapêutico dos alimentos porque elevam os níveis de vitaminas do complexo B e dos aminoácidos. Essa absorção é acrescida de cálcio e ferro.
Para produzir o kefir são necessários apenas grãos e leite (podem ser utilizados água e açúcar. Veja como fazer no site www.dietaja. com.br), que devem ser colocados em um pote de vidro. A proporção é de uma colher (sopa) de grãos para cada meio litro de leite. Decorrido o tempo de maturação, cerca de um ou dois dias, é preciso retirar o líquido e deixar os grãos, adicionando novo leite. Depois, é só ingerir a bebida na sua dieta, pura ou adicionada a frutas, sementes etc. Não há nenhuma restrição ao seu consumo, pois ele é digestivo e não causa intolerância nem efeitos colaterais.
Caso encontre o kefir pronto para consumo, dispense os que contêm açúcar. Prefira o produto ao natural e prepare-o com frutas vermelhas ou outra espécie rica em fibras de baixo índice glicêmico. É possível temperá-lo também com um pouco de suco de açaí, que é altamente antioxidante, suco de romã ou uma dose de bebida verde, feita com grãos de trigo, cevada ou verduras tenras. Depois, é só beber e se beneficiar. Tintim!

5 questões sobre kefir
1.Como preparar o kefir com água?
R. Para que haja fermentação é preciso adicionar açúcar à água. O indicado é optar pelo açúcar mascavo. Veja a receita: 4 colheres (sopa) rasas de açúcar mascavo para 4 colheres (sopa) cheias de grãos para 1 litro de água. Deixe fermentar por 24 horas. Ao final você terá em um copo de kefir apenas 1,40 calorias e em um litro, 5,62 calorias.
2.Pessoas diabéticas podem consumir kefir?
R. A princípio, o ideal seria utilizar o kefir do leite, uma vez que a lactose é bastante eliminada após 24 horas de fermentação. No entanto, recomenda-se consultar o médico antes do consumo.
3.Há algum relato de problemas de saúde relacionados ao uso do kefir?
R. Não há nenhum caso documentado de qualquer problema de saúde. No entanto, dizem que para tudo há contra-indicação. Sendo assim, o melhor é consultar um médico antes de iniciar o consumo.
4.O kefir pode estragar?
R. Sim. Caso apresente cheiro de ovos podres, deve ser descartado. Para evitar problemas, mantenha os cuidados básicos de higiene e não deixe os grãos fora do meio por um tempo maior que 2 a 3 dias.
5.Quais os benefícios do kefir na gravidez?
R. O kefir de leite é rico em ácido fólico, uma vitamina do complexo B cuja ingestão deve começar desde o planejamento da gravidez, pois garante saúde para a mãe e o desenvolvimento do bebê, já que é responsável pela síntese dos ácidos nucléicos (substâncias que produzem proteínas, tecidos e também o código genético, como o DNA, por exemplo). No entanto, não inclua o kefir na sua dieta antes de conversar com seu médico.
Fonte: Site da Revista Dieta Já

domingo, 12 de julho de 2009

Kefir e a Saúde


O kefir tem muitos benefícios à saúde já conhecidos. Ele tem propriedades antivirais e antifúngicas. Tem sido usado como parte do tratamento de uma grande variedade de problemas, como desordens metabólicas, arteroesclerose, alergias, tuberculose, câncer, má digestão, candidíase, osteoporose, hipertensão, AIDS e problemas cardíacos. Você pode até achar esquisito que uma bebida contendo fermentos seja capaz de combater a candidíase, mas o kefir realmente ajuda no problema, restaurando a flora intestinal e porque alguns elementos de sua microflora matam a Candida Albicans. Nem fodos os produtos fermentados são realmente estragados e prejudiciais à saúde.
Além das bactérias benéficas, o kefir contém muitas vitaminas, minerais, aminoácidos e enzimas, principalmente o kefir preparado a partir do leite cru. O kefir é particularmente rico em cálcio, fósforo, magnésio, vitaminas B2 e B12, vitamina K, vitamina A e vitamina D. O triptofano, um aminoácido essencial, é abundante no kefir e é reconhecido por seus efeitos relaxantes do sistema nervoso. Também porque o kefir é rico em cálcio e magnésio, minerais importantes para a saúde neurológica, seu uso rotineiro na dieta pode ter efeitos calmantes.
A abundância de enzimas trás ainda mais benefícios, especialmente àqueles que possuem intolerância à lactose. Muitos que não conseguem tomar leite, conseguem consumir kefir e iogurte normalmente, desde que o kefir e o iogurte sejam preparados a partir de leite cru.

• kefir é simples e barato de se preparar em casa.
• kefir restaura de maneira eficiente a flora intestinal, principalmente após o uso de antibióticos e/ou antiinflamatórios.
• o consumo regular do kefir melhora a imunidade.
• kefir é um alimento excelente para grávidas e lactentes. Grávidas podem e DEVEM consumir kefir e outras bebidas fermentadas regularmente. Faz um bem enorme para ela e para o bebê!.

Você pode usar o kefir no preparo das mais deliciosas vitaminas, substituindo o leite. As crianças vão adorar!!

Kefir não é comercializado em supermercados e lojas de produtos naturais. Você ganha o kefir de quem já tem e você doa kefir quando o seu começa a crescer. No momento eu tenho kefir de leite para doar. Como a reprodução dos grãos é lenta, posso atender a poucas pessoas de cada vez.
Somente para São Paulo-SP. Tem que vir retirar.

quarta-feira, 15 de abril de 2009

Kefir na Mídia


Bactéria do bem

Sempre gostei de leite e derivados, embora sentisse que esses alimentos não caíam bem no estômago. Quando descobri que tinha intolerância à lactose, só me restou evitar laticínios e sentir saudades. Isso até descobrir nos Estados Unidos uma bebida láctea à base de uma cultura de bactérias chamada Kefir, que não me causava nenhum mal-estar. A Kefir é obtida a partir da fermentação do leite por bactérias benéficas, chamadas de probióticas. O truque é que, durante a fermentação, essas bactérias se alimentam da lactose, eliminando-a do leite. Depois de ingeridas, as probióticas formam uma colônia dentro do seu intestino, protegendo-o de ataques das bactérias ruins. E ainda ajudam na absorção de nutrientes e auxiliam a digestão. Quer mais? Pois elas restabelecem a microflora intestinal, que costuma ficar destruída depois do uso prolongado de antibióticos e laxantes, e aumentam a resistência imunológica. A Kefir tem um sabor um pouco mais azedinho que o iogurte e é deliciosa pura, com mel, frutas ou cerais. Para mim, foi uma descoberta incrível. E, como se trata de uma cultura que se autoprolifera, você pode comprar uma pequena quantidade e começar sua própria comunidade em casa mesmo. Eu já tenho a minha, guardada em um recipiente de vidro dentro da geladeira. O único cuidado é o controle semanal, para que as bactérias não se proliferem demasiadamente. Se sua comunidade começar a aumentar demais, a dica é distribuir uma pequena quantidade de Kefir a amigos, que podem, dessa forma, começar suas próprias culturas. Você não tem a menor idéia de como começar? Então veja minha receita abaixo.

Coloque 2 colheres de sopa de grãos de Kefir num recipiente de vidro grande e adicione aproximadamente 500 ml de leite fresco. Deixe esse recipiente numa temperatura de aproximadamente 23 ºC. É importante que o leite não ocupe todo o espaço do recipiente, pois a mistura cresce um pouco. Tampe o recipiente e deixe fermentar por 24 horas. O último passo é coar a Kefir para resgatar os grãos, que podem ser reutilizados imediatamente (sem lavar) para fazer uma nova jarra de Kefir.

para conseguir seus grãos gratuitamente: http://geocities.yahoo.com.br/kefirbrasil
http://www.orkut.com.br/Main#Profile.aspx?rl=mp&uid=12940048885059739293

Fonte: http://revistatpm.uol.com.br/35/editoras/juliana.htm

sábado, 14 de junho de 2008

ARMAZENAMENTO DOS GRÃOS

Armazenando Kefir de Leite
Congelando os Grãos de Kefir (embora este método seja viável para até um ano, um período maior que dois meses pode remover algum fermento importante):
Lave os grãos com água fervida e ESFRIADA ou água filtrada;
Seque-os com um pano macio e limpo ou entre toalhas de papel branco para remover o excesso de umidade;
Coloque-os num saquinho plástico, com leite em pó suficiente para cobri-los (não adicione outros líquidos);
Tire o excesso de ar, feche e leve o saco ao congelador ou freezer.

Desidratando os Grãos de Kefir (de 12 a 18 meses)
Lave os grãos com água fervida e ESFRIADA;
Seque-os com uma toalha macia para remover o excesso de umidade;
Coloque-os entre toalhas de papel branco ou entre dois lenços de algodão ou linho;
Deixe para secar em um local bem ventilado e aquecido enquanto eles ficam firmes e amarelados. Dependendo da temperatura, umidade e tamanho dos grãos, isto pode levar entre 2 ou 5 dias;
Coloque-os numa jarra ou embalagem plástica com leite em pó suficiente para cobri-los e os deixe na geladeira - não no congelador.


Reativando os Grãos de Kefir
Congelados:
Descongele-os em água fria por alguns minutos;
Coloque-os em uma peneira e lave com água fria todo o leite em pó que possa estar aderido aos grãos;
Coloque-os no leite, à proporção de 1:3 de grãos para o leite (1/2 copo de leite para 2 colheres de grãos);
Coe o leite a cada 24 horas, mesmo que ele não esteja coalhado e troque-o por mais leite fresco, até que o kefir resultante tenha aparência, sabor e odor de coalhada natural. Isto pode levar até uma semana ou mais;
Vá aumentando a proporção do leite até que o kefir produzido esteja ao seu gosto.

Desidratados:
Hidrate-os em uma jarra com leite fresco;
Coe o leite a cada 24 horas, mesmo que ele não esteja coalhado e troque-o por mais leite fresco. Não beba do leite até que o kefir resultante tenha a aparência e o odor do iogurte natural. Isto pode levar de quatro a dez dias;
A taxa de crescimento dos grãos de kefir não será evidente, em alguns casos, até a terceira semana. Os grãos devem tornar-se mais brancos após cada lote consecutivo. Os que permanecerem amarelos ou amarelo-cor-de-rosa-marrons e não tiverem uma propriedade elástica, devem ser removidos do grupo após uma semana. Estes são grãos que não se reproduzirão.

Fonte: http://paginas.terra.com.br/saude/kefir/


Conservando em kefiraride (soro do kefir):
Esse é o método que eu utilizo há 8 anos e dá supercerto! Guardo todo o excedente de grãos no kefiraride que sobra quando ponho o kefir para sorar e conservo em geladeira. Troco esse soro 1 vez por semana. Como não envio pelo correio e a procura aqui é grande, esse método é mais prático para mim
.

segunda-feira, 26 de maio de 2008

COMPOSIÇÃO DO KEFIR

LACTOBACILOS

Lb. acidophilus
*Lb. parakefir sp. nov
Lb. casei
Lb. lactis
Lb. casei subsp. pseudoplantarum
Lb. paracasei subsp. paracasei
Lb. cellobiosus
Lb. delbrueckii subsp. bulgaricus
Lb. delbrueckii subsp. lactis
Lb. fructivorans
Lb. helveticus subsp. lactis
Lb. hilgardii
Lb. kefiri
Lb. kefiranofaciens
*Lb. kefirgranum sp. nov
Lb. brevis
Lb. casei subsp. rhamnosus
Lb. plantarum


STREPTOCOCCOS/LACTOCOCCOS

Lactococci lactis subsp. lactis
Lc. lactis var. diacetylactis
Lc. lactis subsp. cremoris
Streptococci salivarius subsp. thermophilus
S. lactis
Enterococcus durans
Leuconostoc cremoris
Leuc. mesenteroides


LEVEDURAS

Kluyveromyces lactis
Kluyveromyces marxianus
K. bulgaricus
K. fragilis / marxianus
Candida kefir
C. pseudotropicalis
C. rancens
C. tenuis
Saccharomyces lactis
S. carlsbergensis
Saccharomyces subsp. Torulopsis holmii
S. unisporus


ACETOBACTER

Acetobacter aceti
A. rasens

Unidades de Micróbrios/Grama de Grãos de kefir

Bacilos [células, pares, cadeias]
Estreptococos [pares, cadeias]
Leveduras [células]
Escala de Relevância

Bacilos 66, 62-69%
Estreptococos 16, 11-12%
Leveduras 18, 16 a 20%

Referência:
Encyclopaedia of Food Science, Food Technology and Nutrition [1993] [pp. 1804-1808] Edited by R. Macrae, R.K. Robinson, M.J. Sadler
* International Journal of Systematic Bacteriology 44 435-439 [1994]

terça-feira, 20 de maio de 2008

Kefir Alimento Funcional

Bebida Fermentada Kefir desponta como alimento
Provavelmente alguém já lhe falou maravilhas sobre o kefir, uma bebida fermentada, feita com bacilos e leveduras, a qual se atribuem propriedades medicinais e que virou moda entre os naturalistas no Brasil.
A bebida é ácida e efervescente feita pelos caucasianos, himalaios e tártaros de leite fermentado com certas sementes de kefir e a bebem como água. Segundo seus defensores, a população consumidora do quefir vive, em média, 110 anos. Afirmam que o kefir atua como normalizador do intestino, prevenindo problemas nos nervos, asma, enfarto, úlcera, anemias, tumores, esclerose, doenças do fígado, erupções cutâneas, icterícia, diarréia.
Dependendo do tempo de fermentação, o kefir promoveria diferentes reações no intestino. Com 12 horas, agiria como laxante, fermentado por 36 horas normalizaria o intestino e com mais de 48 horas de fermentação curaria diarréias. Apesar de tantos possíveis predicados, o kefir foi pouco pesquisado no país até hoje. "Como não há indústria interessada em comercializar o kefir, as análises não se sustentam, são isoladas", disse a professora Célia Lúcia de Luces Fontes Ferreira, do Departamento de Tecnologia de Alimentos da Universidade Federal de Viçosa, uma das poucas a desenvolver estudos com o bacilo.
Digestão de alimentos Especialista em fermentados e probióticos, a professora classifica o kefir como alimento funcional. Funcional é qualquer alimento ou parte dele que proporcione benefícios à saúde, incluindo a prevenção e tratamento de doenças, além de satisfazer os requisitos nutricionais tradicionais.
De acordo com a pesquisadora, o kefir é rico em vitaminas do complexo B. Essas vitaminas participam da composição de enzimas transformando os alimentos em hidratos de carbono, gorduras e proteínas. "Ele não é um probiótico, os alimentos desse tipo produzem bactérias com ação na flora intestinal humana, como os lactobacilos do Yakult, o kefir produz vitaminas que auxiliam no processo digestivo", acrescentou. Segundo Accacia Júlia Guimarães Pereira, do Departamento de Alimentos, da Faculdade de Farmácia da Universidade Federal de Minas Gerais, o valor terapêutico do kefir estaria relacionado à aceleração da digestão dos alimentos, diminuindo o nível de colesterol sérico e beneficiando ainda os sistemas vascular e respiratório. A professora Ferreira também destacou a ação do kefir na estruturação epitelial. "A bactéria do kefir do leite acelera a cicatrização e a reconstituição de pele," disse. "Na Rússia, o kefir fermentado em leite é utilizado há anos no tratamento de queimados." A bebida é preparada com a colocação dos grãos de kefir no leite.
Após a fermentação, os grãos são retirados podendo ser reaproveitados para a produção de mais fermentados. "O leite fermentado tem sabor ácido suave, é espumoso e de baixo teor alcoólico", definiu Accacia Pereira. Antibiótico Em 1997, o professor José Maria Wiest, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, orientou uma tese de mestrado que teve por objetivo verificar características higiênico-sanitárias de amostras de kefir. Como ele é bastante manipulado em sua produção, o propósito era levantar possíveis contaminações. "Coletamos seis amostras diferentes de kefir e em nenhuma delas foi verificado qualquer tipo de contaminação", assinalou Wiest. Essa afirmação ganha relevância quando se constata que o quefir encontrado no sul do país chegou em meados do século passado, junto com imigrantes do leste europeu.
Constatada a resistência à manipulação caseira, os pesquisadores resolveram induzir a contaminação por coliforme fecal nas amostras. No terceiro dia do experimento elas já estavam novamente descontaminadas. "O kefir possui um complexo microbiano que libera antibióticos garantindo o controle da colônia, tornando-a resistente a fungos e salmonelas", conta o professor.
A partir dos resultados obtidos, Wiest tornou-se um admirador das propriedades desses grãos. "O kefir é um alimento funcional, que melhora a absorção dos alimentos, é rico em vitaminas do complexo B e em enzimas lactointolerantes". Em sua opinião, o grão ainda não é largamente consumido devido às dificuldades de disseminação do fermentado. "Ele não se submete a processos industriais. Se armazenado, a embalagem estufa.
Não conseguimos conter a reprodução da colônia", disse. Além da ingestão como bebida energética, o kefir pode ser apreciado na culinária nas mais diversas formas.
O professor Wiest sugere a substituição da maionese, rica em colesterol, pelo quefir. "No preparo das saladas, pelo menos, a maionese poderiam ser substituídos pelo filtrado de kefir", sugere. Wiest também estuda a possibilidade do emprego do quefir na medicina veterinária, sua área de formação. Uma das pesquisas em andamento busca a substituição dos antibióticos pelo kefir no tratamento terapêutico das infecções de úberes, mama dos animais. "Algumas vacas sensíveis a bactérias biogênicas não respondem mais aos antibióticos modernos," disse. "O objetivo do experimento é verificar se o filtrado de kefir é eficiente no combate a essas bactérias."
A UFRGS firmou convênio com o Incra e com o Movimento dos Sem Terra, fornecedor dos animais para uso na pesquisa. "Caso os resultados sejam satisfatórios teremos um leite sem antibióticos, um leite verde", concluiu o pesquisador.
Fontes: www.radiobras.gov.br e www.cnn.com

O texto anterior é meramente informativo como forma de pesquisa e conhecimentos recolhidos através da internet disponibilizados em sites que tratam sobre o assunto. E de forma alguma sugerem a dispensa de cuidados e orientação de médicos profissionais!

terça-feira, 1 de abril de 2008

Definições


Kefir

Kefir é um probiótico produzido através da fermentação do leite. Possui um aspecto semelhante ao iogurte, mas o seu valor nutricional e terapêutico é muito superior.
Tanto o iogurte como o kefir são produtos fermentados, feitos a partir do leite. Existem grupos de bactérias que não existem no iorgurte, como a Lactobacillus caucasus, Leuconostoc, e espécies de Acetobacter e Streptococcus. O kefir contém também leveduras benéficas como as Saccharomyces kefir e Torula kefir, que dominam, controlam e eliminam as leveduras patogénicas presentes no organismo.


Kefiraride

É o líquido amarelado que fica, acima ou abaixo da sua cultura de kefir. Quando você coloca o kefir para sorar na geladeira na preparação do cream cheese, o líquido coado é o kefiraride. Muitos o chamam de "soro", e é muito rico em kefiran.
Pode ser usado como hidratante e auxiliar no combate à caspa, acne, psoríase e candidíase (uso externo) e é indicado para problemas cutâneos como acne com incrível eficácia e para a manutenção e regeneração da pele.


Kefiran

É um gel solúvel polissacarídeo que fica aderido aos grãos de kefir. É composto em partes iguais por galactose e glucose;
Leveduras dominantes: Torulopsis holmii; Saccharomyces delbrueckii 10:1; Lactobacillus brevis

A presença do kefiran em seus grãos é evidenciada por uma gosma esbranquiçada, com consistência semelhante à da clara do ovo. Embora pareça nojento, é perfeitamente saudável e o kefir produzido por eles será dos mais eficazes nos benefícios proporcionados.
Experimentos realizados no Japão com camundongos revelaram que o kefiran possui propriedades anti-tumor.
Nestes experimentos, a administração oral do kefiran reduziu o tamanho de tumores, pela indução específica da resposta imunológica nos camundongos.